Educação financeira para crianças e adolescentes

por | 13, set 2020 | Dinheiro | 0 Comentários

É indispensável que os pais criem nas crianças e adolescentes uma consciência em relação ao dinheiro. A educação financeira é um assunto sério e que precisa ser discutido. 

 Não é cultural do brasileiro saber gerenciar bem o seu dinheiro, o país apresenta o chamado de “imediatismo financeiro”, em que as pessoas não têm o costume de guardar dinheiro, mas sim o gastar no momento em que o ganham. 

Isso pode ter várias causas, pode ser uma forma de “terapia” ou até recompensa, com uma maneira de se autoconvencer diariamente que você trabalhou muito para conseguir então merece gastar tudo. 

Esse pensamento não é nem considerado errado, cada um pode lidar com o seu dinheiro da maneira que convém, no entanto existem jeitos melhores e mais satisfatórios para gasta-lo.

Quando relacionado a crianças ou adolescentes, a educação financeira ajuda a ter acesso sobre as informações básicas referente ao gerenciamento das finanças.

Consequentemente, aumenta a chance deles se tornarem adultos mais sensatos e consciente dos seus rendimentos.

Afinal, ninguém gosta de viver no limite de dinheiro, se sufocando todos os meses para pagar as contas mensais e não sobrar quase nada para o lazer.

Continue lendo o texto para saber o que pode fazer para auxiliar crianças e adolescentes nesse processo.

Qual é a importância da educação financeira? 

O seu filho precisa aprender a lidar com o dinheiro e se você o ensinar, é mais provável que ele não enfrente uma situação financeira mais grave no futuro.

Quanto antes esse aprendizado for transmitido, mais rapidamente as crianças ou os adolescentes irão entender sobre as formas de poupar, multiplicar e investir com sabedoria.

Infelizmente, os pais não poderão ser os provedores para sempre, então a educação financeira também é uma forma de preparar os filhos para o mundo, de ensina-los a seguir seu próprio caminho.

Hoje, algumas escolas incluem educação financeira no currículo mínimo, mas não são todas que já a adotaram.

Sendo assim, é de extrema necessidade que os pais estejam comprometidos quanto a instruir os filhos de forma didática e paciente, uma vez que as crianças estão mais acostumadas com o método tradicional de ensino.

Essa prática é vantajosa mesmo quando relacionada a qualidade de vida da criança no presente, porque as chances de birras por não conseguirem o que desejam, por causa de dinheiro, por exemplo, diminuem.

Isso é ótimo porque eles aprendem a lidar com a frustração de um jeito bem mais saudável, uma vez que compreendem que caso se planejem melhor, conseguirão uma quantia suficiente para concluir seu objetivo.

Além disso, a educação financeira funciona para despertar um impulso de independência nos seus filhos adolescentes e isso, consequentemente, aumenta a grau de responsabilidade dos mesmos.

Algumas dicas para iniciar a educação financeira

  • Incentive as crianças a terem um cofrinho: essa é a melhor forma de ensinar seu filho a economizar quando se está buscando alguma meta. Vale ressaltar sobre a importância de só abrir quando estiver completo.
  • Mesada: de acordo com os especialistas é mais efetiva semanalmente entre 6 e 8 anos, de forma quinzenal, dos 9 aos 11 e mensal, a partir dos 12 anos
  • Registrar os gastos: isso já constrói na criança e no adolescente uma noção do que ele deverá fazer, futuramente, sozinho para gerenciar seu dinheiro.
  • Discutir sobre o Querer e o Precisar: até mesmo os adultos precisam se atentar sobre isso. Não é só porque você quer, que você precisa.
  • Desde cedo introduza assuntos relacionados ao mercado financeiro

Conclusão

Fica claro, então, que ensinar os seus filhos a lidar com dinheiro desde cedo poderá ser uma das melhores heranças que você deixará para eles.A educação financeira é útil, principalmente, para gerar consciência sobre a necessidade de gerenciar bem o dinheiro.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.