O que são níveis neurológicos e por que eu deveria conhecer isso?

por | 28, jul 2020 | Saúde | 0 Comentários

Os estudos sobre Níveis de Aprendizagem, desenvolvidos por Gregory Bateson, foram os responsáveis pela criação do conceito de níveis neurológicos.

Esse estudo determinou que existem tipos de aprendizagem em níveis diferentes.

Robert Dilts, então, adaptou esse conceito e produziu o que hoje é conhecido como os níveis neurológicos da PNL (Programação Neuro Linguística), que englobam todos os níveis lógicos dentro de seis níveis fundamentais.

Divididos em: ambiente, comportamentos, capacidades, crenças, identidade e espiritualidade.

Desse modo, os processos mentais relacionam-se de maneira hierárquica. Primeiro, aprendemos pelos canais representacionais, que são nossos sentidos e, partir daí, fazemos associações mais profundas.

Por exemplo, se você tenta trabalhar em uma mesa desorganizada (ambiente), suas ações (comportamento) ficam comprometidas, logo seu desempenho (capacidade) despenca.

Nesse cenário hipotético, você acredita (crença) que é incapaz de realizar tarefas e isso pode afeta sua autoimagem (identidade) e seu relacionamento com outras pessoas (espiritualidade).

Fica claro, portanto, que um problema pequeno, como exemplificado anteriormente, pode ter um impacto muito grande na sua vida.

Continue a leitura do texto para compreender melhor sobre o assunto.

Quais são e como funcionam esses níveis?

Como já mencionado, a hierarquia dos níveis neurológicos tem a função de sintetizar e organizar as informações anteriores, assim como mostrado no trabalho original de Gregory Bateson.

Nesse sentido, uma mudança em um nível mais profundo altera, necessariamente, os níveis abaixo. Enquanto uma mudança em algum nível superficial pode afetar ou não os superiores.

Observe a seguir uma divisão mais explicita desses níveis.

Nível 1: ambiente

Esse é o nível mais básico. Aqui encontra-se a percepção, ou seja, aquilo que nos torna capazes de captar e representar, por meio dos nossos sentidos (visão, audição, olfato, tato e paladar).

Vale ressaltar, também, que o ambiente, nos níveis neurológicos, não está relacionado obrigatoriamente ao mundo físico real, mas sim a sua percepção de mundo.

Logo, todo e qualquer fator externo pode ser considerado no contexto, basta que haja alguma restrições e oportunidades relacionadas ao ambiente ou tempo.

Nível 2: comportamento

Os comportamentos podem ser classificados em ação ou reação.

Tudo o que fazemos, falamos, criamos, sem a necessidade de terceiros é uma ação.

Já a reação decorre, na maioria das vezes, de uma resposta gerada pelo ambiente. Nesse caso, não há estratégia ou mapa mental, são apenas reflexos.

Nível 3: capacidade

Diz-se que quando o comportamento possui um mapa mental ou estratégica é caracterizado como capacidade. 

Essas estratégias mentais nada mais são do que as imagens que visualizamos antes de realizar alguma coisa. 

Isso também pode estar relacionado a sons e aos estados internos que nos colocamos em determinados momentos. 

Em outras palavras, é a nossa capacidade que direciona nosso comportamento. 

Nível 4: crença

A crença é a característica relacionada aos nossos julgamentos próprios, sobre as pessoas ao redor e, também, sobre o mundo.

Isso significa, que esse quarto nível é o responsável por nos impulsionar a seguir em frente, além de permitir responder vários “por quês” da nossa existência. 

Como a moral por trás do que consideramos certo e motivo para isso.

Nível 5: identidade

A identidade é a forma como enxergamos a nós mesmos e nossos objetivos. Pode estar relacionada com a personalidade, profissão, gênero, ideologias, entre outras.

De certa maneira, a identidade é a consolidação das nossas crenças, uma vez que cada valor que possuímos reflete diretamente no jeito que somos e nos comportamos.

Nível 6: espiritualidade

O espiritual não compreende apenas a religião, mas todo o contexto dos sistemas que estamos envolvidos, como relações familiares e profissionais também.

De forma simplificada, basicamente, o nível espiritual se refere a forma com que influenciamos e somos influenciados por todos os sistemas. 

Conclusão

Portanto, conhecer sobre os níveis neurológicos já é o primeiro passo para uma transformação pessoal e percepção de mundo. 

Pois é por meio deles que será possível identificar a mudança que você deseja, classificar o nível em que essa mudança é necessária e, assim, agir de maneira efetiva para alcançar seu objetivo.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.